NAVEGUE PELAS CATEGORIAS
Home Calendário e Datas Judaicas Rosh Hashaná – costumes e explicações

Rosh Hashaná – costumes e explicações

Rosh Hashaná é um dia para dizer “Eu sou judeu, pertenço a este povo, eu me conecto, eu me identifico”. Uma vez estabelecido isso, você pode passar para a próxima etapa, assumindo mais, aprendendo mais, aprimorando a forma. Mas tudo começa com a ideia de quem você é.

por Rabino Y. David Weitman
grandes festas
Print Friendly, PDF & Email

Não importa como nos conduzimos ao longo do ano, nas Grandes Festas somos todos atraídos às Sinagogas. O que é que nos atrai? A nossa neshamá, a nossa alma, que é naturalmente atraída a D’us, cuja presença é prevalente nesses dias. É esta nossa centelha judaica interior, profundamente enraizada no coração de cada judeu, que nos une a todos. Pois na nossa essência somos fagulhas Divinas.

Cumprimentos pessoais nas Grandes Festas

Após a reza da primeira noite de Rosh Hashaná, desejamos uns aos outros “Leshaná Tová Tikatêv Vetechatêm” (no masculino) ou “Tekatêvi Vetechatêmi” (no feminino) “Que você seja inscrito(a) e selado(a) para um ano bom e doce”.

REFEIÇÕES FESTIVAS

Estamos tão seguros de nosso relacionamento com o Criador que começamos a comemorar um ano bom e doce antes mesmo de ele começar. Nós fazemos refeições festivas no jantar e no almoço dos dois dias de Rosh Hashaná. É aqui que as Grandes Festas ganham um ar de fato festivo.

Essas refeições são ricas em simbolismos. Em Rosh Hashaná, a nossa mesa é um banquete de otimismo, celebrando a doçura e a abundância do ano que está chegando. Nós começamos com o kidush e a chalá doce. Na primeira noite, iniciamos a refeição ingerindo uma maçã mergulhada no mel, dizendo: “Que seja Tua vontade renovar para nós um ano bom e doce”.

Também comemos neste jantar cenouras adoçadas, cabeça de peixe e romãs entre outros alimentos. Na segunda noite, comemos uma fruta da nova estação logo após o kidush. Esta fruta é para acompanhar a berachá de shehecheiánu que foi recitada no kidush ou no acendimento das velas.

SHOFAR

Rosh Hashaná literalmente significa “Cabeça do Ano”: assim como a cabeça controla cada parte do corpo, Rosh Hashaná é o momento em que cada dia do ano é inicializado no universo. É um estágio crucial, quando cada momento deve ser preenchido com bons pensamentos, palavras e ações. Quando precisamente ele começa? Você adivinhou: ao primeiro toque do shofar.

Rosh Hashaná tem uma mitsvá especial: ouvir o shofar, um simples chifre de carneiro. Após a leitura da Torá, são tocados 30 toques do shofar em um padrão prescrito.

VER  Rabino responde sobre mês de Adar e Purim

Outros 70 toques são feitos na sequência, no decorrer das orações, totalizando 100 toques. Este ano, em que o primeiro dia de Rosh Hashaná coincide com Shabat, o shofar apenas será tocado no segundo dia da festa.

De acordo com o ensinamento chassídico, isso ocorre porque, seja qual for o efeito cósmico e espiritual que o toque do shofar geralmente proporciona, a santidade do Shabat adicionada à do Rosh Hashaná faz com que o mesmo ocorra sem ser necessária a nossa intervenção.

SINAGOGA

Quando o Mestre do Universo está lidando com questões globais, por que incomodá-Lo com nossas orações? Sem as nossas orações, Ele dirige o universo como um Rei, com rigoroso julgamento. Nosso trabalho é dar uma nova dimensão a esse relacionamento, mais próxima de uma calorosa relação pai-filho.

Na verdade, os sons do shofar têm o objetivo de emular os choros suplicantes de uma criança. É isso o que está por trás da oração “Avinu Malkênu – Nosso Pai, Nosso Rei!”

TASHLICH

No tarde do primeiro dia de Rosh Hashaná é costume ir até a beira de um lago ou rio que contenha peixes vivos e recitar a oração de Tashlich, enfatizando a profecia “Ele apagará nossas iniquidades e lançará todos os nossos pecados ao fundo do mar”.

Isto é para nos lembrar que devemos abandonar nossos pecados e começar uma nova fase da vida. As grandes festas também têm um sentido existencial. Da mesma forma como um peixe depende totalmente da água, devemos lembrar que dependemos inteiramente do Todo- Poderoso. E assim como os peixes não têm pálpebras, também a Divina Providência e Sua Supervisão jamais deixam de cuidar de nós.

Fonte: Artigo da Revista Celebração do Beit Chabad Morumbi

Rosh Hashaná - costumes e explicações

Torá Clássico - Coleção

Coleção Torá Clássico - Pentateuco (5 livros). ADQUIRA LIVRO

ESTAMOS AQUI

Faça contato que logo responderemos.

Logo do Legal Saber

NOSSAS REDES: