pt Portuguese
en Englishfr Frenchiw Hebrewpt Portuguesees Spanish

A epidemia, na Inglaterra, da Bovine Spongiform Encephalopathy, popularmente chamada de “vaca louca” põe em xeque uma questão: existe alguma conexão entre a vaca louca e judaísmo?

Sabemos que, sem dúvida, se trata de uma tragédia, cujas consequências vêm causando a maior crise jamais enfrentada pela pecuária inglesa.

A doença é parecida com uma que ataca o cérebro dos homens, e a população inglesa — com medo de ser contaminada — deixou de comer carne.

Pelo mesmo motivo, a Inglaterra não tem conseguido exportar sua carne. Portanto, como consequência, os preços despencaram e os prejuízos são incalculáveis.

Vários fatos publicados pela imprensa nos dão um panorama dos acontecimentos que culminaram nessa epidemia.

A indústria alimentícia, com o objetivo de aumentar sua produtividade e rentabilidade, adotou novos métodos de alimentação para o gado, introduzindo a chamada “ração protéica”.

A proteína animal passou a ser produzida tecnologicamente e o rebanho passou a ser alimentado com restos de vísceras de animais.

Sabe-se que é uma doença difícil de ser detectada em seu estágio inicial. Ademais, os restos das carcaças dos primeiros animais doentes foram transformados em ração para outros animais, ocasionando, assim, a propagação da doença.

Possível conexão entre vaca louca e judaísmo

Talvez haja uma conexão disso com o judaísmo. Sabe-se que tanto Adão quanto as dez primeiras gerações seguintes que habitaram a terra eram vegetarianos.

Somente após o Dilúvio D’us permitiu ao homem o consumo de carne. Mesmo assim, uma série de restrições, entre as quais a de que só fossem utilizados para este fim animais herbívoros.

A Torá permite o consumo da carne de onze animais, todos dóceis e herbívoros. A razão para isto é simples. Sabemos hoje da influência da alimentação sobre a formação do caráter do homem. A sabedoria popular bem diz “L’homme est ce qu’il mange”, ou seja, o homem é o que ele come.

A carne, assim como qualquer alimento que ingerimos, transforma-se, através da digestão. Transforma-se em nosso sangue, em células, em parte de nós mesmos.

D’us proibiu ao homem consumir sangue para que não tivesse um caráter sanguinário e violento. Foi uma forma de assim preservar nele uma nobreza de alma e um caráter refinado.

Pelo mesmo motivo foi-nos proibido nos alimentarmos de feras ou aves de rapina. Com isso o Todo-poderoso quis evitar pois que a crueldade deste animais nos fosse transmitida.

Os animais cujo consumo a Torá permitiu são, como já dissemos,  herbívoros e domésticos: vaca, carneiro, bezerro e outros.

A harmonia existente na Criação

Existe na Criação um equilíbrio perfeito, com uma dinâmica própria, que não cabe ao homem modificar.

De acordo com a Torá, tanto a natureza como suas leis devem ser respeitadas ao máximo. Por exemplo,  devemos preservar as espécies, não podemos misturá-las, devemos respeitar o ecossistema. A partir do momento que se tenta forçar uma situação, algo “não-natural”, poderá haver uma reação negativa por parte da natureza.

Obviamente estou apenas emitindo uma suposição, mas, quando li que todos os animais infectados com a doença da “vaca louca” comeram a “ração animal”, vi uma interferência do homem na natureza.

Neste caso vaca louca e judaísmo parece apontar claramente para um sinal de cima.  É que animais, gado e rebanho, que devem comer o pasto natural que o Criador lhes reservou, de repente, são obrigados a ingerir algo animal.

Ao tentar transformar animais herbívoros (mesmo que seja apenas um começo), em carnívoros deu nisso. Forçá-los a ingerir ossos ou qualquer ração animal, provocou-se uma catástrofe.

Deve-se salientar aqui algo importante. Sem dúvida, as leis da cashrut são rigorosas. Obrigam o  Shochet a uma inspeção minuciosa antes da Shechitá, o abate ritual.

É necessário também que se faça uma inspeção interna, para constatar o estado do animal; para ver se não há falta de órgãos vitais (rins, etc.), o estado do pulmão, se há abscessos ou qualquer outro defeito. Assim podemos entender que vaca louca e judaísmo são coisas distintas, pois no primeiro caso parece ter havido a mão do homem.

Vistoria casher

Os órgãos são analisados de forma muito rigorosa, bem mais do que é exigido internacionalmente pelas leis de higiene sanitárias.

Uma inspeção casher das mais minuciosas poderá verificar se o animal está contaminado, se a doença está em estágio avançado, já tendo atingido o cérebro.

Se o animal estiver apenas recém contaminado pelo vírus, este não é detectável através de uma inspeção visual nem manual; somente através de exames de laboratório poderá se constatar se.o animal está contaminado.

É algo como — o próprio nome da doença diz — uma loucura que não é perceptível a olho nu.

(Matéria publicada na Revista Morashá em junho de 1996)

Leia e/ou imprima este artigo em PDF

Baixe o App do Legal Saber no seu celular agora e acesse o conteúdo de forma ainda mais fácil


INFORMATIVO LEGAL SABER

ACENDIMENTO DAS VELAS DE SHABAT 

LocalidadesVelas de Shabat para 14/06/19HorárioFinal do Shabat 15/06/19Horário
S. PauloAcendimento das Velas:17:07Término do Shabat:18:04
R. de JaneiroAcendimento das Velas:16:55Término do Shabat:17:52
Belo HorizonteAcendimento das Velas:17:04Término do Shabat:17:59
Recife Acendimento das Velas:16:49Término do Shabat:17:43
SalvadorAcendimento das Velas:16:55Término do Shabat:17:49
CuritibaAcendimento das Velas:17:15Término do Shabat:18:12
Porto AlegreAcendimento das Velas:17:11Término do Shabat:18:10
Fonte: chabad.pt

 

LEGAL SABER ESCLARECE AS PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE JUDAÍSMO

 

 


ACESSO RÁPIDO AO CONTEÚDO