Pérolas de Torá – Parashá Ki-Tissá

Parashá Ki-TissáPérolas de Torá

Experimente navegar pelo efeito “flipbox”. Toque em cada trecho de texto e veja a outra parte.

Nesta porção nós encontramos o pecado do bezerro de ouro, e realmente é difícil de entender que todo este ouro que as pessoas doaram com sinceridade de repente se transforme num bezerro. Será que Aharon HaCohen, o Sumo Sacerdote, irmão de Moisés, fez um bezerro de ouro, uma estátua, algo tão proibido no judaísmo?

Mas a resposta é a seguinte: nossos sábios nos dizem que aqui teve um mau uso de um objeto sagrado. Quando você pega algo muito sagrado, e o usa em um contexto profano, de feitiçaria, sai coisa perigosa. E a história é a seguinte: no Egito, no último dia quando cada um estava preocupado em esvaziar o Egito, já que D’us prometera que cada um sairia com prosperidade, então ali cada pessoa buscou ouro e prata.

No entanto, Moisés se lembrou da promessa de levar o caixão de Yossef. Este caixão, sabia-se que ele havia sido chumbado e estava no Nilo, mas Moshe Rabeinu não sabia onde no Nilo. Então, ele se colocou na frente do Nilo e apelou para métodos mais espirituais. Moshe pegou uma plaquinha e escreveu nela o nome de D’us, e escreveu também “Aleicho” – “Levanta-se Touro”, porque o apelido de Yossef era “touro”, pois sabemos que cada uma das tribos tinha um apelido, tinha uma bandeira – Naftali, uma gazela; Judá, um leão – e Touro era realmente o apelido de Yossef.

Então Moshe jogou essa plaquinha com nome de D’us – shema le forash – dentro da água e não passou alguns segundos e realmente subiu o caixão de Yossef. E este caixão foi levado durante 40 anos no deserto até ser enterrado em Israel.

Porém, Moshe não percebeu que quando ele fez este ato, atrás dele estava um rapaz (Milchá) – e este Milchá, era um judeu no Egito, que já havia aderido às práticas idólatras, saindo do Egito com um ídolo debaixo do braço. Então o que aconteceu? Milchá viu esta cena de Moshe jogando uma plaquinha mágica no Nilo, saindo, pois, de repente, um caixão, que ele então não hesitou: pulou na água e retirou a placa e ela ficou em seu bolso durante muito tempo.

E, quando os judeus se juntaram e perguntaram a Aharon HaCohen, se queixando de que Moisés não voltara e que precisavam de um substituto, começaram a dar ouro. Aharon, por sua vez, para ganhar tempo, sabendo que Moisés estava chegando brevemente, começou a fundir o ouro e quando este ouro foi jogado na fornalha, naquele momento Milchá novamente não hesitou e jogou a plaquinha dentro do fogo.

Imagine então uma placa onde está o nome inefável de D’us, e onde está escrito também “Aleicho – Levanta-se Touro”, e fazendo disto um uso profano, com intenções erradas, jogando-o dentro da fornalha, saiu um bezerro, um bezerro de ouro.

Em outras palavras, não foi Aharon que fez o bezerro, mas houve uma influência estranha, uma prática quase de feitiçaria que fez que saísse este bezerro. Esta é a explicação. D’us nos livre de pensar que Aharon HaCohen tivesse feito uma coisa dessas, ao contrário, ele fez de tudo para temporizar, para ganhar tempo até que Moshe voltasse e as coisas se normalizassem.

Legal Saber continua avivando Judaísmo na WEB!

Pérolas de Torá são joias da sabedoria judaica

Você também pode acessar mais acessando “Pérolas de Torá” e se enriquecer ainda mais de sabedoria judaica genuína pelo renomado Rabino David Weitman.