Pérolas de Torá

Bereshit

Autoridade máxima é D’us, aprendemos em Bereshit

Role a tela para baixo

Começamos um novo Chumash​

Livro da Torá, Gênesis, parashá Bereshit

E na sagrada Torá nós encontramos que D’us criou na quarta-feira as luminárias

“Vaiassê Elohim shniá meorot haguedolim” – D’us criou duas grandes luminárias e depois a Torá entra em detalhes: o luminar maior, o sol para governar de dia, e o luminar menor, a lua, para governar a noite.

Mas note bem: não está claro

São dois grandes e de repente um é pequeno, o outro grande… pois está escrito que no começo as duas luminárias eram grandes!

Dizem os nossos sábios que a lua reclamou com D’us e disse:

“Como pode dois reis usarem a mesma coroa pois isto não funciona?”

D’us não gostou e diminuiu a lua

Ela então se tornou na verdade o pequeno luminar. No começo era grande como o sol, mas então depois foi diminuída.

A pergunta é: “qual o pecado da lua se ela falou uma verdade?”

Realmente não tem país no mundo que tem 2 reis. Não existe dois governantes; é sempre um. Não tem no mundo uma empresa que tem dois senhores, é um apenas. Existe uma responsabilidade, por isso ele deve ter uma autoridade, algo normal.

A resposta de D’us para a lua em tom de pergunta:

“Quem disse que você é rei? Verdade que rei só tem um, não dá para ter dois reis com uma coroa, mas você não é rei, então quem te disse que você é rei? Você é apenas um ministro, e ministro pode ter muitos.”

Na realidade houve pretensão, orgulho, vaidade

Você não é rei, mas apenas ministro!

“Melech malchi amlachim hacadosh baruch hu”

Lembremos que o verdadeiro Rei de todos os reis – Bendito seja D’us – permite outros governarem. O verdadeiro governo e autoridade máxima é Ele.

Noach

A recompensa para aqueles que cumprem mitzvot

Cumprir mandamentos e fazer boas ações

Promessa de D’us a Noé

Na parashá Noach temos que após Noé emergir da Arca, D’us se compromete a não mais destruir o mundo por completo e diz então a Noé: “Col chemez asher ru chai” – qualquer animal que se move e que vive – “La cheme ye chochlá” – servirá de alimento para vocês – “kierec iessef” – como a vegetação das plantas.

D’us permite a Noé comer carne

Os nossos sábios dizem: “E servirá de alimento para você” – porque até lá não era permitido. Adão, por exemplo, podia somente comer vegetação, ervas, plantas, então ele era, na realidade, um vegetariano.

Permissão Divina para a ingestão de carne

Somente na décima geração, D’us permite a carne mas com uma restrição – a de que não podemos comer carne retirada de um animal enquanto ele estiver vivo.

Um passo adiante do primitivismo

Os povos primitivos, muitas vezes, viam um animal passar e pegavam uma faca e cortavam um pedaço, como se faz ao cortar em “bife”, um ato proibido (“ever mina chaim”, no hebraico) – um pedaço de carne de animal vivo – e isto é uma das sete leis universais.

7 Leis de Noé

Então junto com as outras leis que D’us já tinha falado para Adão – “não matarás”, “não roubarás”, “não pegar a esposa do outro”, “não amaldiçoar D’us”, “não fazer idolatria”, e “instituir tribunais”, nós temos então as sete leis universais, de extrema importância, e que são chamadas de sete leis dos filhos de Noé.

Recompensa para os observantes das Leis Divinas

Assim, de acordo com tradição judaica se o gentio observa estas sete leis, ele sabe que elas foram dadas por D’us, já que consta na lei de Moisés, ele será recompensado assim como o judeu que observa 613 mitzvot também é recompensado. Isso explica por que não tem proselitismo no judaísmo, justamente porque sabemos que cada um tem a sua escada para chegar a D’us e assim será recompensado.

Lech Lechá

Tesouros incríveis na alma de cada um

Na parashá Lech Lechá assistimos algo muito importante. D’us está dando uma promessa para Avraham Avinu, o primeiro Patriarca, dizendo para ele: “Lezarachá Natati et Haáretz Azot” – À tua descendência eu darei esta terra, a terra de Israel. Em outras palavras, é aqui mesmo o lugar bíblico onde Deus promete que os descendentes de Abrahão, o povo de Israel, terão direito a esta terra.

Elevação do povo judeu

No começo se chamava terra de Canaã e depois foi transformada em Eretz Yisrael. Assim, o povo de Israel passou de um povo que na verdade era pagão e teve uma elevação para um povo monoteísta. Então a terra se chama Terra de Israel.

Povo judeu = terra

É interessante notar que também o povo judeu também se chama terra. O último profeta – Malaquias (em hebraico Malachi) – escreve em sua profecia o seguinte: “Veishhú Entran La Goyim” – que todas as nações vão lhe felicitar – “Ki tiú atem eretz chufetz” – porque vocês vão ser uma terra de delícias, uma terra de coisas queridas.

Cada ser humano é um território

Então o povo de Israel também é uma terra, cada ser humano tem o seu território no qual ele pode transformar e elevar numa terra santa. Afinal, não vamos esquecer que Israel no mundo inteiro é chamada de Terra Santa, reconhecida por todas as nações.

Terra de tesouros incríveis

Mas por que o povo judeu é chamado de terra? Explica o Baal Shem Tov que, da mesma forma que na terra há tesouros inacreditáveis (muitas vezes não visíveis), lá embaixo, procurando, você vai achar minerais, pedras preciosas, petróleo, na verdade tantas coisas fantásticas.

Revelar seu potencial

A metáfora acontece na alma do ser humano. Há muito potencial, muitos talentos, muitas coisas boas, e cada um é capaz de revelar esse potencial, usar seus talentos para servir o Criador e iluminar ao seu redor.