pt Portuguese
en Englishfr Frenchiw Hebrewpt Portuguesees Spanish

O Mês de Adar

Trazer a Divindade Para Dentro Do Universo

NO PRÓXIMO SHABAT ABENÇOAREMOS O SEGUNDO MÊS DE ADAR. COMO JÁ FALAMOS, ESTE ANO TEMOS DOIS MESES DE ADAR: ADAR ALEF (ADAR I) E ADAR BEIT (ADAR II).

Adar

A palavra “Adar” vem da palavra adir, magnânimo, e também pode ser escrita dividida em duas: alef e dar.Neste caso, Alef é D’us, que é chamado de Alufo (Comandante do mundo). Ele é Um, pois Alef é um, e somente D’us é Um. Dar, por sua vez, significa morar. Dirá, em hebraico, é “moradia”. O assunto é trazer D’us para morar aqui, neste mundo físico.

Echad

Interessante notar que, em hebraico, a palavra dardar quer dizer “espinho”. Então, por um lado temos “espinho”, e pelo outro temos “moradia”. Como isso funciona?Nossos Sábios dizem que as letras dalet e resh (de dar) são muito parecidas. A única diferença é que no canto superior da letra dalet tem uma pequena pontinha, uma pequena saliência. Se não fosse isso, o dalet e o resh seriam praticamente idênticos e teríamos que tomar muito cuidado para não confundi-los.Um exemplo disso é quando recitamos o Shemá Yisrael, Hashem Elokenu, Hashem echad. Ao afirmarmos que Hashem é Um, echad, o dalet de echad é bem grande, para não falarmos, D’us nos livre, acher. Se confundirmos dalet com resh, leremos a palavra acher, que significa “outro”. D’us nos livre que haja outro D’us. Por essa razão, o dalet de echad está em tamanho maior.

Não Confundir

O mesmo se dá no versículo “Lo tishtachavê lekel acher” (“Não se ajoelhe para outro deus”). Se a pessoa não pronunciar corretamente, ela fará do resh um dalet, significando “Lo tishtachavê lekel echad” (“Não se ajoelhe para o D’us único”), D’us nos livre. Por isso, na Torá, o resh tem um tamanho maior, para jamais confundir o resh com o dalet. Esta é a explicação. Então, se a pessoa confunde o dalet com o resh, e faz do D’us único um “outro deus”, D’us nos livre, ela faz idolatria, e neste caso isso vira um espinho (dardar = espinho).

Moradia

Contudo, se a pessoa se cuida e sabe a diferença, ou seja, sabe que existe somente um D’us Único, Hashem echad, neste momento ela faz uma moradia para D’us (Alef dar). Ela traz D’us para dentro deste mundo, transformando-o para que, no final, ele seja melhor.

Rosh Chodesh Adar II

Diz a Mishná: “Beechad beAdar mashmiin al hashekalim” (“No primeiro dia do mês de Adar começava uma campanha para o meio shekel”). Nos tempos antigos, em Israel, havia uma campanha na qual cada judeu, sem distinção, contribuía com uma moeda de meio-shekel para um fundo especial, que era usado para comprar as oferendas para o Templo.
Esta campanha começava em Rosh Chodesh Adar. Infelizmente hoje nós não temos mais o Templo, nem oferendas, por isso não existe mais a mitsvá de “machatsit hashekel”, porém existe “zecher lemachatsit hashekel”. Assim, lembramos o “machatsit hashekel” através da tsedacá (donativo) que um judeu dá no valor de meio-shekel de prata para a sinagoga. Isto é feito em todas as sinagogas, e é bom fazê-lo antes da leitura da Meguilat Ester. Assim, isso é feito desde o início de Rosh Chodesh até antes de Purim. Mas qual é o motivo?
Nossos Sábios respondem a partir da Guemará, em Meguilá, que quando Haman chegou para Achashverosh e o convenceu a lançar um decreto para aniquilar os judeus — nós sabemos que Haman quis implementar uma “solução final” para o povo judeu, matando homens, mulheres, crianças e idosos, todos no mesmo dia —, então, para poder convencer o rei, ele trouxe uma sacola com 10.000 moedas de prata: “Asseret alafim kikar kessef”.Em outras palavras, ele ofereceu uma propina. E nossos Sábios nos dizem que, naquele momento, lá em Cima, uma voz celeste foi proferida: “Shekalai cadmú leshecalecha” (“Os meus shekalim anteciparam os seus shekalim, Haman”). Porque os shekalim que o povo de Israel doou no deserto como tsedacá nesta campanha de meio-shekel já anteciparam os seus shekalim, razão pela qual o seu decreto não se concretizará.
Houve uma prevenção antes da cura, e a prevenção foi o “machatsit hashekel”. Por isso, até hoje há o costume de se tentar falar ou cumprir a mitsvá de “machatsit hashekel” antes da leitura da Meguilá, antes de lermos o decreto de Haman para aniquilar o povo de Israel, para mostrar que os shekalim do povo de Israel anteciparam os shekalim de Haman.