Como lidar com o mau olhado? O judaísmo admite a existência do “ayin hará”, mau olhado ou “olho gordo”.

Várias fontes, até bíblicas, indicam que existe a possibilidade de uma pessoa prejudicar outra através dos olhos. Portanto, não podemos considerar o “ayin hará” apenas uma superstição.

O olho no judaísmo é um órgão especial, o espelho da alma, olhos lindos demonstram uma bondade íntima como no caso do rei David, que possuía olhos especiais.

Assim como podem ter uma boa influência, os olhos podem também prejudicar.

A Bíblia relata que o patriarca Jacob mandou seus dez filhos, rapazes fortes e bonitos, para o Egito à procura de alimento. Ele fez uma recomendação no entanto. Disse-lhes para que cada um entrasse por um portão diferente, para não chamar atenção, para não atrair o mau olhado.

A própria lei judaica tem proibições relacionadas a este assunto. É proibido, por exemplo, ficar meramente olhando e observando o campo ou colheita alheia.

Mas apesar de tudo isto ser verdade,não se deve atribuir importância em demasia para o olho gordo.

Recomendações corretas para lidar com o mau olhado

A posição correta sobre o mau olhado consta nos livros de nossos contemporâneos.

O Rabino Moshe Feinstein diz claramente que o “ayn hará” afeta em particular as pessoas que lhe atribuem uma grande importância.

Não devemos ficar sintonizados neste assunto. De nada vale nos preocupar e analisar cada detalhe que acontece em nossa volta. O uso de amuletos ou fitinhas para proteção nos torna vulneráveis. Pelo contrário desligando-nos deste assunto nos tornamos menos vulneráveis.

A atitude correta é evitar a ostentação. Vale lembrar que as primeiras tábuas da lei, entregues com muitas pompas e cerimoniais, quebraram, enquanto as segundas dadas de forma mais discretas ficaram.

Isto não quer dizer nos esconder em casa, mas optar por mais recato (tsniut).

Nas nossas preces matinais pedimos à D’ us, entre outras coisas que nos proteja do mau olhado, de um vizinho mau.

A aproximação constante com a fonte divina e o cumprimento das mitsvot, de boas ações, são sem dúvida a melhor proteção contra o mau olhado.

(Matéria publicada na Revista Morashá em junho de 1995)

Leia este e outros textos, vídeos e áudios no App do Legal Saber. Baixe-o agora!


Legal Saber JUDAÍSMO!
Estudando a filosofia chassídica
Um rebe no inferno nazista
Artes Plásticas e Judaísmo: “Os Quatro Vagões de Sobrevivência” de Gershon Knispel
Templos, profetas e sábios
Um memorial para a imigração judaica no Brasil
Rashi – O mestre do povo judeu
O sentido da oração
O Brasil recebe as comunidades judaicas
Criptojudaísmo e conversos
Reencarnação e Judaísmo
OS JUDEUS ORIUNDOS DO EGITO
Como o judaísmo encara os objetos voadores não identificados e a possibilidade de vida em outros planetas?
Não adianta transmitir um judaísmo adaptado e maquiado, Judaísmo é um privilégio.
O tesouro dos conselhos do Rebe de Lubavitch
A Rainha Ester nos dias de hoje
A sabedoria do Rei Salomão: Provérbios
A grande dedicação de Ruth, mulher exemplar
A sabedoria do Rei Salomão: Cântico dos Cânticos
A sabedoria do Rei Salomão: Eclesíastes
O significado do 45º aniversário
Usando a tecnologia a favor da Torá
Tratado sobre as ressurreição de Maimônides
Os três componentes do universo
RABI LEVI YITSCHAK DE BERDITCHEV – O DEFENSOR DO POVO JUDEU
O HOLOCAUSTO NÃO É UM CASTIGO
Ouvindo as mensagens da vida
OS JUDEUS NOS PAÍSES MUÇULMANOS
A ESTRUTURA DO TANACH (A BÍBLIA JUDAICA)
O respeito devido à oração do Cadish
O perigo das drogas e dos vícios
O perigo da alienação e do casamento misto
O pensamento chassídico sobre a Criação
O papel da mulher no Judaísmo
ALEPO, EXEMPLO DE ERUDIÇÃO E BENEVOLÊNCIA
O propósito de nossa existência
O BAAL SHEM TOV E O AMOR INCONDICIONAL
Kitsur Shulchan Aruch – A obra prima da lei judaica
JERUSALÉM, OLHO DO UNIVERSO
IMIGRAÇÃO JUDAICA: DE SHTETEL PARA AS COLÔNIAS NO SUL DO BRASIL
PORQUE CONTAR AS HISTÓRIAS CATIVANTES DO REBE DE LUBAVITCH?
DESENVOLVENDO NOSSO CARÁTER
Fé e ciência
Dando sentido e significado em nossa vida
OS CONFLITOS NA TERRA SANTA
Casher hoje
+