pt Portuguese
en Englishfr Frenchiw Hebrewpt Portuguesees Spanish

Ki-Tissá

O Mal Uso De Objetos Sagrados

NESTA PORÇÃO NÓS ENCONTRAMOS O PECADO DO BEZERRO DE OURO.

Toque ou clique em cada trecho de texto e descubra outra parte.

[mpc_flipbox transition_duration=”500″ front_background_color=”#f5bf1c” back_background_color=”#333333″][mpc_flipbox_side title=”Front” tab_id=”1550252135266-5″]

Realmente é difícil entender como todo este ouro que as pessoas doaram de todo coração de repente se transforme num bezerro. Será que Aharon Hacohen, o sumo sacerdote, irmão de Moisés, fez um bezerro de ouro, uma estátua, algo tão proibido no Judaísmo?

[/mpc_flipbox_side][mpc_flipbox_side title=”Back” tab_id=”1550252135347-3″]

A resposta é a seguinte: nossos Sábios dizem que aqui teve um mau uso de um objeto sagrado. Quando você pega algo muito sagrado e o usa em um contexto profano, como feitiçaria, o resultado é perigoso. E a história é a seguinte: no Egito, no último dia, quando cada um estava preocupado em esvaziar o Egito, pois D’us prometera que cada um sairia com prosperidade, então cada pessoa procurou ouro e prata.
No entanto, Moisés se lembrou da promessa de levar o caixão de Yossef. Sabia-se que esse caixão havia sido chumbado e repousava no Rio Nilo, mas Moshé Rabenu não sabia o local exato. Então ele ficou diante do Nilo e apelou para métodos mais espirituais. Moshé pegou uma plaquinha, escreveu nela o nome de D’us, e também “Alê shor” (“Levante-se touro”), porque o apelido de Yossef era “touro” (pois sabemos que cada uma das tribos tinha um apelido, uma bandeira: Naftali, uma gazela; Judá, um leão; e o apelido de Yossef era touro).

[/mpc_flipbox_side][/mpc_flipbox]
ouro
[mpc_flipbox transition_duration=”500″ front_background_color=”#f1f1f1″ back_background_color=”#f1f1f1″][mpc_flipbox_side title=”Front” tab_id=”1550252224106-7″]

Então Moshé jogou essa plaquinha com nome de D’us (Shem Hameforash) dentro da água, e em poucos segundos o caixão de Yossef veio à tona. Este caixão foi carregado durante 40 anos no deserto até ser enterrado em Israel.

Porém, ao fazer este ato, Moshé não percebeu que atrás dele estava um rapaz (Michá) — um judeu no Egito que já havia aderido às práticas idólatras — que saía do Egito com um ídolo debaixo do braço. O que aconteceu?

[/mpc_flipbox_side][mpc_flipbox_side title=”Back” tab_id=”1550252224201-0″]

Michá viu Moshé jogando uma plaquinha mágica no Nilo, o caixão imediatamente subindo, e ele não hesitou: pulou na água, pegou a placa e a guardou em seu bolso durante muito tempo.

Quando os judeus se reuniram e se queixaram a Aharon Hacohen, porque Moisés ainda não havia voltado e eles precisavam de um substituto, começaram a doar ouro. Aharon, por sua vez, para ganhar tempo, sabendo que Moisés chegaria em pouco tempo, começou a fundir o ouro, e quando este ouro foi jogado na fornalha, naquele momento Michá novamente não hesitou e jogou a plaquinha dentro do fogo.

[/mpc_flipbox_side][/mpc_flipbox]
Nilo
[mpc_flipbox transition_duration=”500″ front_background_color=”#f5bf1c” back_background_color=”#333333″][mpc_flipbox_side title=”Front” tab_id=”1550252314735-5″]

Imagine então uma placa onde está escrito o nome inefável de D’us e também “alê shor” (“levanta-se touro), sendo usada de modo profano, com intenções erradas, sendo atirada dentro da fornalha e formando um bezerro de ouro.

[/mpc_flipbox_side][mpc_flipbox_side title=”Back” tab_id=”1550252314832-9″]

Em outras palavras, não foi Aharon quem fez o bezerro, e sim uma influência estranha, um tipo de feitiçaria, que fez com que se formasse esse bezerro. Esta é a explicação. D’us nos livre, pensar que Aharon Hacohen fizesse uma coisa dessas. Ao contrário, ele fez de tudo para ganhar tempo, até que Moshé voltasse e as coisas se normalizassem.

[/mpc_flipbox_side][/mpc_flipbox]