Não há coincidência, assim a Parashá da semana do Congresso relata que D’us estava prestes a destruir Sodoma e Gomorra, as encarnações máximas do egocentrismo, comportamento infenso à atitude de fazer o bem ao próximo..

Mas como poderia fazê-lo sem avisar Abraão? Afinal, D’us o ama porque “educa seus filhos e netos para praticar a bondade e a justiça”.

Abraão foi, umas dez vezes, duramente testado pelo Criador — e jamais traiu sua fé. Só por isso já seria merecedor da Divina deferência.

Mas, não, foi justamente por transmitir a seus descendentes os princípios de respeito ao semelhante é que ele foi honrado pelo aviso.

Hoje se dá grande ênfase ao terceiro setor; é ensinado nas faculdades e há cursos para voluntários. Quase não existe empresa que não pratique atos de cidadania. Estamos todos engajados nessa volta à moralidade, à ética e ao fazer o bem ao próximo.

Mesmo nos negócios, o lucro tem que ir para os dois lados. A humanidade está aprendendo a repartir. Mas o que para o mundo é novidade, para nós judeus, não.

Fazer o bem é um patrimônio judaico

Quando os povos antigos não tinham leis sociais, quando os romanos e espartanos matavam recém-nascidos defeituosos por achar que não mereciam viver, o povo judeu já tinha uma clara e precisa orientação sobre como proceder a respeito.

Assim, desde que recebemos as Tábuas da Lei, há mais de 3.312 anos, temos, sem exceção e todo o dia, a obrigação de fazer o bem ao próximo.

Isso não é meramente acessório na religião judaica, é pois seu fundamento.

Quando um gentio desafiou um rabino a ensinar-lhe o judaísmo de forma rápida, a resposta foi “Não faças ao próximo o que não quiseres que façam a ti”.

Rabi Akiva foi então mais positivo: “Amarás o próximo como a ti mesmo”.

Esse movimento não é apenas horizontal. Ao praticar o bem, estamos emulando o Criador, andando no Seu caminho.

A chama iluminando o mundo

Mas tudo o que fizermos, todo o esforço, nunca será então o bastante.

Todas as criaturas são filhos de D’us e ao Povo Escolhido cabe ser um facho de luz, o exemplo para os povos do mundo.

Sempre envolvendo nossos filhos e netos no processo, temos que fazer cada vez mais — e melhor.

Por volta de 1190, Maimônides escreveu que “nunca ouvimos falar de uma comunidade no seio de Israel que não tenha seu fundo de caridade”.

Quase dois mil anos se passaram e isso aliás continua válido.

Outras religiões acreditam que a pobreza é momentânea. Existem filosofias que dizem que todos serão iguais. Isto é uma utopia. O judaísmo é realista e reconhece que uma sociedade comporta todo tipo de gente e haverá pobreza até o Mashiach chegar.

E nós estamos aqui para repartir. Aqueles entre nós que são mais abastados, são apenas fiéis depositários do que pertence aos necessitados.

Se alguém tem, portanto, é porque D’us lhe deu o que é propriedade do carente.

Com efeito, quando alguém vem pedir-nos ajuda, estamos pois apenas devolvendo-lhe o que já era dele.

Esse raciocínio traz em seu bojo a mais importante lição de todas, a da humildade, reprimindo o orgulho do rico ao fazer caridade e aliviando a vergonha do pobre ao receber esmola.

Em tempos de prosperidade e nos guetos, na liberdade e na escravidão, os judeus jamais enfim se esqueceram disso.

(Discurso proferido no Congresso Latino Americano, publicado no Kol News em Abril de 2001)

Baixe o App do Legal Saber em seu celular e conecte-se a um conteúdo judaico qualificado


Legal Saber JUDAÍSMO!
Estudando a filosofia chassídica
Um rebe no inferno nazista
Artes Plásticas e Judaísmo: “Os Quatro Vagões de Sobrevivência” de Gershon Knispel
Templos, profetas e sábios
Um memorial para a imigração judaica no Brasil
Rashi – O mestre do povo judeu
O sentido da oração
O Brasil recebe as comunidades judaicas
Criptojudaísmo e conversos
Reencarnação e Judaísmo
OS JUDEUS ORIUNDOS DO EGITO
Como o judaísmo encara os objetos voadores não identificados e a possibilidade de vida em outros planetas?
Não adianta transmitir um judaísmo adaptado e maquiado, Judaísmo é um privilégio.
O tesouro dos conselhos do Rebe de Lubavitch
A RAINHA ESTER NOS DIAS DE HOJE
A SABEDORIA DO REI SALOMÃO: PROVÉRBIOS
A GRANDE DEDICAÇÃO DE RUTH, MULHER EXEMPLAR
A SABEDORIA DO REI SALOMÃO: CÂNTICO DOS CÂNTICOS
A SABEDORIA DO REI SALOMÃO: ECLESIASTES
O significado do 45º aniversário
USANDO A TECNOLOGIA A FAVOR DA TORÁ
TRATADO SOBRE A RESSURREIÇÃO DE MAIMÔNIDES
OS TRÊS COMPONENTES DO UNIVERSO
RABI LEVI YITSCHAK DE BERDITCHEV – O DEFENSOR DO POVO JUDEU
O HOLOCAUSTO NÃO É UM CASTIGO
OUVINDO AS MENSAGENS DA VIDA
OS JUDEUS NOS PAÍSES MUÇULMANOS
A ESTRUTURA DO TANACH (A BÍBLIA JUDAICA)
O RESPEITO DEVIDO À ORAÇÃO DO CADISH
O perigo das drogas e dos vícios
O PERIGO DA ALIENAÇÃO E DO CASAMENTO MISTO
O PENSAMENTO CHASSÍDICO SOBRE A CRIAÇÃO
O papel da mulher no Judaísmo
ALEPO, EXEMPLO DE ERUDIÇÃO E BENEVOLÊNCIA
O PROPÓSITO DE NOSSA EXISTÊNCIA
O BAAL SHEM TOV E O AMOR INCONDICIONAL
KITSUR SHULCHAN ARUCH – A OBRA PRIMA DA LEI JUDAICA
JERUSALÉM, OLHO DO UNIVERSO
IMIGRAÇÃO JUDAICA: DE SHTETEL PARA AS COLÔNIAS NO SUL DO BRASIL
PORQUE CONTAR AS HISTÓRIAS CATIVANTES DO REBE DE LUBAVITCH?
DESENVOLVENDO NOSSO CARÁTER
FÉ E CIÊNCIA
DANDO SENTIDO E SIGNIFICADO EM NOSSA VIDA
OS CONFLITOS NA TERRA SANTA
CASHER HOJE
+