1) A MULHER É DISCRIMINADA NO JUDAÍSMO?

Não, não há discriminação da mulher no judaísmo. O judaísmo acredita que a mulher é realmente diferente; mas, ser diferente não significa não ser igual.

Assim como, de acordo com o judaísmo, existem diferenças entre os homens. Temos Cohanim, Sacerdotes, Levitas e Israelim. Cada um com suas tarefas e um não podendo fazer as tarefas dos outros.

Por exemplo, apenas o Cohen podia entrar no Santuário, apenas o Levi cantava no Templo. Da mesma forma, também existem diferenças entre homens e mulheres.

As obrigações e responsabilidades são diferentes daquelas dos homens, mas não menos importantes. Ao contrário, alguns dos pilares do judaísmo, como a educação, as leis alimentares e as leis conjugais foram totalmente entregues às mulheres.

Por ser realista, o judaísmo reconhece as diferenças existentes entre homens e mulheres que tanto existem no plano biológico, como também em sua missão espiritual. Mas não há discriminação da mulher no judaísmo, vale ressaltar.

Não se trata absolutamente de uma relação sócio-hierárquica, apenas funções diferenciadas no plano horizontal.

UMA EXPOSIÇÃO INDEVIDA DA MULHER

(Matéria publicada no Revista Morashá de dezembro de 1998)

Leia e/ou imprima este artigo em PDF

Baixe o App do Legal Saber no seu celular