Os contos e as histórias são de extrema relevância na transmissão oral do Judaísmo. Nestas últimas décadas, Baruch Hashem, muitos autores resolveram registrar por escrito as pérolas contidas neste grande manancial de histórias. No seu famoso calendário, Hayom Yom, o Rebe de Lubavitch, líder mundial judaico, traz em nome de seu avô, o Rebe Rashab: “‘No êxodo do Egito chassídico’ existe o preceito de narrar o “êxodo” verbalmente: relatar contos chassídicos e perceber a história no mais íntimo do ser. Devemos saber que cada história é uma lição de vida. Cada história deve produzir um bom traço de caráter, um entusiasmo interior por hidur mitsvá [realizar uma mitsvá com “beleza”, além da obrigação mínima], e permitir que se sinta o “caminho agradável” do ensinamento chassídico”.
Em outro lugar consta, também, em nome do Rebe Rashab, que, através das histórias revelamos a essência da alma, que muitas vezes está oculta. Daí vemos o poder extraordinário dos relatos chassídicos. O Próprio Criador, o Todo-Poderoso, fez questão de começar a Sua Torá com o primeiro livro do Pentateuco (Gênesis) sendo em sua maioria narrativas dos antepassados e dos patriarcas. Somente depois, no segundo livro (Êxodo), as leis e os preceitos começam a ser relatados. O livro de Bereshit é chamado de “Sêfer HaYashar” (O “Livro da Retidão”), pois “as histórias sagradas trazem retidão ao coração e à mente da pessoa, tornando-se receptáculos para adquirir e melhorar no estudo da Torá e no serviço a D’us” (Rebe Anterior, Likutei Diburim, Pessach de 1934).
Cada história mencionada nesta coleção compilada pelo famoso Nissan Mindel, Z”L, autor de diversos livros e publicações, passou pela tradição oral, de pai para filho, ou de mestre para discípulo, e muitas vezes sobreviveu a perseguições e pogroms. Todas elas têm um denominador comum: uma lição de vida para todas as épocas. Todos os contos judaicos estão imbuídos de uma lição moral e ética, embasados nos mais profundos sentimentos e ensinamentos judaicos.
Numa época como a nossa, quando jovens e crianças se espelham em heróis de decência e moral duvidosas, é obrigação de pais e educadores contar para seus filhos/alunos essas histórias maravilhosas de verdadeiros heróis judeus, de ética inquestionável, exemplos de dedicação e comportamento. Durante décadas, as mães encontravam muita dificuldade para achar livros adequados com os quais pudessem ler para os seus filhos, antes de eles irem para cama, pois não existiam no vernáculo. Hoje, graças ao maravilhoso trabalho de compilação de Nissan Mindel e da Editora Kehot em português, este repositório de histórias torna-se acessível a todos. Por outro lado, enganam-se aqueles que pensam ser estes contos apenas para crianças e jovens, pois este livro sem dúvida também serve para os adultos. Afinal de contas, todo professor e palestrante sabe que despertará muito mais os ouvintes para o temor aos Céus através de uma história bem contada do que por meio de longas e pesadas palestras.
 
 
(Extraído do prefácio do livro O Contador de Histórias, Editora Kehot, S. Paulo)