Um camponês que visita pela primeira vez uma cidade grande, ao assistir a um incêndio, percebeu que, ao toque de um sino, as pessoas se mobilizaram para apagar as chamas. Na sua ingenuidade, ele pensa que basta tocar o sino e os problemas do incêndio estão eliminados. É claro que não é bem assim; além do sino, exige-se um tremendo esforço de mobilização para debelar o incêndio. Num paralelo é assim também com a mobilização para a continuidade judaica.

A princípio, durante sucessivas gerações, a transmissão da identidade judaica era praticamente automática. Bastava “tocar o sino” das tradições judaicas num lar sólido, imbuído de um modo de vida judaico, que a continuidade judaica era garantida. Hoje, porém, com as transformações que a sociedade — e, por consequência, o povo judeu — passou, o quadro mudou.

A abertura das sociedades, a substituição das perseguições pela tolerância e a fragilidade da família e das instituições educacionais tornaram pois o nosso povo muito vulnerável.

Assim, diariamente, milhares de jovens judeus se afastam e abandonam o judaísmo. Propriamente falando, é correto dizer que a continuidade judaica está então abalada e atingida. O incêndio é grande e não podemos errar ao pensar que apenas com um toque de sino consertaremos a situação.

Resistência e resiliência marcam a continuidade judaica

O judaísmo sobreviveu a várias ameaças em toda a sua trajetória. Durante os seus mais de 3.300 anos de história, foi oprimido e perseguido inúmeras vezes. Todavia, sobreviveu aos babilônios e romanos, cruzadas e inquisições, pogroms e Holocausto.

A persistência pela eternidade, na realidade, a continuidade judaica, nos ensinou a lutar e vencer o inimigo externo. Hoje, porém, o inimigo é diferente; é mais interno e ameaçador: a secularização, a alienação e a assimilação.

As estatísticas sobre casamento misto e assimilação passiva são alarmantes. O momento é de agir. E, sem dúvida, a solução reside em incutir e fortalecer a consciência e a identidade judaica da nossa geração.

O Midrash (Bereshit Rabá 69:5) explica por que o texto bíblico compara o povo judeu ao pó da terra (Gênese 28:14): assim como o pó da terra fornece do bom e do melhor para o homem (alimentos, minerais, pedras preciosas, etc.) e muitas vezes é pisoteado por ele, ainda assim a terra sobrevive a todos os arados que arrancam seus pedaços, o mesmo ocorre ao povo judeu, que tem muito conhecimento para transmitir à humanidade (e é muitas vezes pisoteado e perseguido). Todavia, como a terra, que é eterna (Eclesiastes 1:4), ele sobreviverá a todos que arrancam pedaços dele.

Condição sine qua non

Este Midrash que conta a eternidade do povo judeu continua, porém, com uma condição: assim como a terra precisa ser regada para dar seus frutos, assim também o povo de Israel precisa se irrigar com sua água límpida e pura, o seu patrimônio espiritual, a Torá.

Esperamos que as comunidades judaicas, com seus espíritos receptivos e criativos, irão agir na prática, despertando a sede pelo judaísmo em nossos jovens, permitindo que eles sejam realmente comparados à terra, que produz benefícios para a humanidade.

(Extraído do prefácio do livro Teremos Netos Judeus?, Editora Maayanot, S.Paulo)

Baixe o App do Legal Saber em seu celular e desfrute de conteúdo judaico qualificado


Legal Saber JUDAÍSMO!
Estudando a filosofia chassídica
Um rebe no inferno nazista
Artes Plásticas e Judaísmo: “Os Quatro Vagões de Sobrevivência” de Gershon Knispel
Templos, profetas e sábios
Um memorial para a imigração judaica no Brasil
Rashi – O mestre do povo judeu
O sentido da oração
O Brasil recebe as comunidades judaicas
Criptojudaísmo e conversos
Reencarnação e Judaísmo
OS JUDEUS ORIUNDOS DO EGITO
Como o judaísmo encara os objetos voadores não identificados e a possibilidade de vida em outros planetas?
Não adianta transmitir um judaísmo adaptado e maquiado, Judaísmo é um privilégio.
O tesouro dos conselhos do Rebe de Lubavitch
A Rainha Ester nos dias de hoje
A sabedoria do Rei Salomão: Provérbios
A grande dedicação de Ruth, mulher exemplar
A sabedoria do Rei Salomão: Cântico dos Cânticos
A sabedoria do Rei Salomão: Eclesíastes
O significado do 45º aniversário
Usando a tecnologia a favor da Torá
Tratado sobre as ressurreição de Maimônides
Os três componentes do universo
RABI LEVI YITSCHAK DE BERDITCHEV – O DEFENSOR DO POVO JUDEU
O Holocausto não é um castigo
Ouvindo as mensagens da vida
OS JUDEUS NOS PAÍSES MUÇULMANOS
A ESTRUTURA DO TANACH (A BÍBLIA JUDAICA)
O respeito devido à oração do Cadish
O perigo das drogas e dos vícios
O perigo da alienação e do casamento misto
O pensamento chassídico sobre a Criação
O papel da mulher no Judaísmo
ALEPO, EXEMPLO DE ERUDIÇÃO E BENEVOLÊNCIA
O propósito de nossa existência
O BAAL SHEM TOV E O AMOR INCONDICIONAL
Kitsur Shulchan Aruch – A obra prima da lei judaica
JERUSALÉM, OLHO DO UNIVERSO
IMIGRAÇÃO JUDAICA: DE SHTETEL PARA AS COLÔNIAS NO SUL DO BRASIL
PORQUE CONTAR AS HISTÓRIAS CATIVANTES DO REBE DE LUBAVITCH?
DESENVOLVENDO NOSSO CARÁTER
Fé e ciência
Dando sentido e significado em nossa vida
OS CONFLITOS NA TERRA SANTA
Casher hoje
+